Sandra Barbosa de Oliveira 2

O eterno amor e um piano

Minha amargura vem da amargura dos poetas
minha felicidade, das minhas crianças
de meus amores um só que me mata

da crueza das palavras mal ditas
um silêncio profundo se entrelaça
numa garganta que só quer te bendizer
porque a ti eu amo tanto
e a ti sempre amarei

Sei do teu amor por mim
e sei que é único
e sei também que só a morte pode explicar
sua grandeza infinita

para morrer basta não respirar
meu ar …
em ti pode faltar
o pulsar sem fim
de tudo que há em mim
para vingar a minha ausência

de tudo só meu amor por ti
deve ficar
a explanar um céu de eterno amor
que de outras vidas este amor vindou
e a outras terras deslizará

não entendo um amor tão grande assim
minha vida se modificou por ti
tua presença em mim crucificou
esse amor jamais vai acabar!

minha garganta pede por te bendizer
de um amor por ti que tive
e tenho e terei para sempre
apesar do meu calar profundo
porque a ti eu amo tanto
e a ti sempre amarei

que, nem a morte, há de levar …

Anúncios
momentos, Sandra Barbosa de Oliveira 2

Esboço (Por um sentimento eterno)

Tuas mãos são como penas
que dançam ao vento sobre o teclado
e o som sai da pronfundeza da alma
para a profundeza do ser
saber
Viver como gente
ser gente
sentir a melodia como canto de pássaro
coisa natural
Teu corpo é todo feito de tons e sobretons
sua alma é negra
linda
e eu a te contemplar
até o amanhecer.

escrito na madrugada do primeiro encontro com a música
em julho de 1979

Sandra Barbosa de Oliveira 2

Confusões (sem ti)mentais

Nesses dias, que estão passando….
nem eu ! nunca me senti tão confusa;
minhas histórias tão confusas e tão cheias de conflitos, vêm e vão……..
Minha mente se confunde ainda mais, sem ti………..

Fico-me a perguntar ‘por quê ?’…………quero respostas;
minha alma sabe bem o que é bom e o que é ruim…
mas meu coração esquece………meu coração nem sabe mais;

sei que te quero sempre perto
sei que quero o teu pensar em mim
quero o calor da tua mão num toque
e o teu tocar também em notas musicais

por quê tem que ser tudo tão difícil?
por quê essa distância tem que ser assim tão fria?
por quê esse momento silencia tanto?
o quê aconteceu com aquele nosso encontro?

me custa acreditar que está tudo perdido
dentro de mim há sempre um grande encantamento
a esperar você chegar da despedida
pra devolver os beijos de tua partida

o que eu vou fazer com esse amor que sinto
se os meus abraços estão aqui te esperando
eu me sufoco com teu nome na garganta
ao mesmo tempo que essa mágoa me devora

faz alguma coisa pra livrar a minha alma
eu te amo tanto que não sei como fazer
eu sei que pode ser feliz longe de mim
se for mentira volta aqui pra me dizer

preciso de você aqui e agora
me mostre aquele amor de antigamente
cadê aquele menino que me amava tanto
onde ele está ?…

Sandra Barbosa de Oliveira 2

Emersão

Vingo-me ao entrar no seu eu profundo
e enraizar minha audácia no seu íntimo
Minha vitória há de haver em sua perda
Do meu eu profundo digo que sei
não foi fácil me apartar das provas
daquele seu devaneio
Mas venci por me virar
Da vingança tive que beber todo o veneno
e experimentar toda a sua glória de prazer
e vivenciar todo o frio do enfrentamento
e todo o faz-de-conta tive que vencer
mas meu acreditar em mim venceu
E eu emergi…

escrito e publicado às 16:44 do dia 21 de maio de 2008