História meio sem fim

Toda história tem começo, meio e fim. Mas como tudo na minha vida foi acontecendo meio de cabeça pra baixo, eu acho que posso começar a contar essa história do fim pro começo.

Sou uma pessoa simples, meu discurso é descomplicado, tive uma vida tranqüila… uma infância confortável; mas tive que me tornar um pouco dura pra poder sustentar o que a mim foi destinado.

Tive tudo,  abri mão ;  fui derrubada  mas não desisti.  Caí, desconstruí… mas levantei e recomecei a construir o meu começo. Construir um novo começo não é o mesmo que recomeçar… porque você começa  diferente, com cabeça diferente, com sentimentos diferentes e se transforma numa nova pessoa e edifica uma nova versão da vida… que começa a ser outra vida, tudo ao contrário, de trás pra frente… do fim pro começo…

E é assim o início de tudo.

Sou uma pessoa realmente simples… gosto de ser meio caipira até…  eu diria.  Tenho sotaque do interior e traços bem italianos,  pois minha origem navegou  num porão de  navio pra chegar até aqui… o que me traz um grande orgulho… e é lição deixada pela minha avó.

E é assim que vejo nascer a minha história… nesse mundo que é o meu lugar… desse meu jeito de ser e  de pensar.

…………………

Minha história “do fim pro começo” começa com muita raiva.  Raiva da boa!  Raiva que dá tristeza, de tamanha que é… raiva de ter amado tanto… raiva de ter me entregado tanto,  raiva de ter tido que parecer tão simplória… sem na verdade  (” nem”)  nunca ter sido.
Raiva de ter tido que me fazer de burra. De ter tido que me subjugar e de ver subestimada a minha inteligência perante tanta gente que eu gostava tanto;  mas nossos valores escorrem.
E é essa raiva que eu sinto  que me dá força pra eu chegar ao meu começo… ao começo dessa minha história,  que eu pensei que estivesse seguindo pelo tempo mas que – de repente – percebi estar apenas começando.

E ela começa assim:…

– Aqui estou eu, é madrugada e lá fora nem sei se faz frio ou calor… meus cachorros, meus amores dormem.
Tenho raiva da foto da moça da Internet. Eu a vejo sempre que é pra não perder a referência. Eu até vou contar a história da moça… mas vai ser depois… primeiro eu tenho que falar da raiva!
Uma raiva que assombra, que deprime… que faz mal, que me fez chorar, ter medo do mal que elas  poderiam me  fazer.

Elas?… a raiva e a moça da foto.

Mas eu tenho que suportar essa raiva, que carregá-la comigo pra sempre. A raiva e a moça não me deixam perder a referência… a minha referência de mundo… de vida… de bem e de mal… de certo e de errado…

E foi isso que me fez enxergar o mundo outra vez, de uma nova forma…

Mas o que faz valer é a fé na vida, é a sobrevivência, é a força para enfrentar a falta de  dignidade daquele encontro no quarto de um  hotelzinho barato no largo do Paissandú…   seguido de demissão  por incompetência e  oportunismo, o  inevitável retorno ao interior com o fim de uma fracassada  carreira de atriz  que nem chegou ao começo e o recebimento de piedosas  flôres enviadas junto a um  boleto para  pagamento.

Sim, essa  história não valeu mesmo a pena… e a moça,  não vale nada… é só uma casca de energia  negativa que impregnou todo o caminho por onde passou…  mas mesmo assim a volta por cima está dada e é pra  essa covardia que eu dedico o fim dessa história…  daquele insano mau momento em 2001.

………………….

De tudo, o que me sobrou foi lucidez……lucidez que só loucos conseguem experimentar… lucidez de ter os pés cravados no chão… que absorve todos os sonhos e te faz rever  um mundo cheio de verdade… onde as borboletas voam  no céu… onde só há luar em noite de lua… onde a fúria do mar só bate onde há calmaria… onde o sol só se põe no horizonte… onde só se pode ser feliz quando existe lealdade.

Uhhhmmmmm… … traição me leva a pensar na raiva que eu sinto… na moça da foto, na cama da lama, na pulga da orelha de um livro… que comprei pra tentar salvar mas que fez ruir ainda mais a minha história.

Que nada !!!… eu achei que fosse escrever toda uma história , que tivesse um bom começo e um fim meio sem fim… mas acabei esbarrando no mal do tempo, e o começo ficou distante pra eu poder contar agora.
Já vai amanhecendo e se eu não for dormir… não vai ter história para amanhã.

Para quem não entedeu, peço desculpas… juro que na próxima eu explico, essa hstória ainda vai virar um livro…

escrito numa das noites anteriores à daí de baixo em 2006.

*

(Cada um tem um histórico na vida. Algumas vezes pode haver algum deslize. Tem gente em que a vida é um deslize, se metem num buraco e nunca mais conseguem sair. Para essas pessoas eu peço orações….porque só Deus pode conceder o perdão.

Eu pareço meio doida mas não sou. As palavras sempre fazem algum sentido. Tenho tanta coerência no que digo que são poucas as pessoas que me entendem neste mundo…. mas tem gente que me entende, a isso tem !!!!!

reeditado em setembro de 2009.

Anúncios

Deixe um comentário

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s