“No verso do cartão de embarque eu escrevi o seu nome”… Felipe Pena

As palavras do professor me fizeram ecoar uma história.
A história de um único e rápido momento passante. As palavras eram sobre um cartão de embarque. E as imagens do aeroporto vieram como num filme de arte. Estávamos tão sozinhos diante da despedida. Apesar das pessoas à volta havia um silêncio. Solidão. Eu não podia te olhar, tinha um adeus transbordando em teus olhos. Como eu gostaria de saber o que aconteceu ao entrar na sala e partir. Eu saí dali sem meu norte, peguei o carro e segui pelo caminho inverso como se abduzida por pensamentos de amor indecifrável com Bob Maley a me dizer incessantemente no rádio: “In high seas or-a low seas, I’m gonna be your friend”. Quase uma hora depois me percebi perdida na estrada em que os dois sentidos me levariam pra longe e voltei.
Devo ter sido levada pela corrente das lágrimas que não pude derramar, ou pelo olhar que você não pode ou não me quis entregar.