o poeta em mim

*

Abro janelas e portas em mim

e me espio e saio e me tranco

Trancafiar-me em minhas razões

me dói mais do que não tê-las

As trancas e as trincas de mim

me comprimem e me dilatam

Se me tranco eu não sei

se estou dentro

ou se estou fora.

(Sandra Barbosa de Oliveira)

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s