Arte, beleza, Contos, Contos e crônicas, crônica, Crônicas, Cultura, Educação, Literatura, Sandra Barbosa de Oliveira

Fotografia de Coimbra

(José Luís Peixoto)

“Coimbra é a cidade e a esperança dos domingos à tarde. Um calendário abandonado no bolso do casaco é Coimbra. Coimbra são fotografias reveladas de um rolo antigo, esquecido numa gaveta. E, no entanto, enquanto falamos, Coimbra existe e corre no recreio. Existe ar que é respirado apenas por Coimbra. Existe um coração no seu peito a bater, e esse é um milagre de deus que transcende deus.”

(Fotografia de Coimbra – Gaveta de Papéis)

IMG_20170710_195613_611

https://go.hotmart.com/B6166112W

Anúncios
Contos, Contos e crônicas, crônica, Crônicas, Cultura, fotografia, Literatura, momentos, Movimento, realidade, reflexão, Sandra Barbosa de Oliveira

#EuTeAmoBarcelona

A primeira viagem

Foi apenas quando o trem de pouso bateu com as rodas no chão que eu me dei conta de que ali estava eu, sozinha e que estava por começar uma grande aventura.

O destino entre os tantos que antecederam a escolha, desde os primeiros momentos, não surgiu ao acaso e seria o tiro da grande jornada de autoconhecimento e motivação, que estava há muito a minha espera.

Seria eu ali a vislumbrar um mundo de aromas e paisagens, arte, sensações e solidão.

Meu medo me obstruía a passagem mas nunca haveria de chegar a minha hora se eu não criasse o momento… e parti.

Ao desembarcar em Barcelona, naquele que seria o meu primeiro chão de mundo livre, o aeroporto me recepcionou com maestria e me encaminhou para as ruas da cidade.

Ônibus, buzinas, o peso da mochila nas costas, tudo meio adormecido ainda diante do desembarque, no momento da chegada.

A tarde estava morna, o tempo sem cor, nem frio nem calor.

Eu ainda embriagada pelas horas do voo, desci na praça principal, rodeei-a a 360 graus e percebi-me perdida em meu giro, em meu relógio, em meus sentidos, em minhas pernas, tantas eram as ruas que a cercavam que eu não conseguia sair do lugar.

Até que por um momento eu parei, oxigenei, e percebi que já havia chegado ao meu destino e que o caminho me levaria de encontro aos meus anseios de marinheiro atracado no primeiro porto.

E foi assim que eu encontrei o hostel, logo ali perto, no mesmíssimo lugar em que o mapa o havia apontado.

E foi que eu sorri diante da majestosa porta centenária que ao abrí-la pensei comigo…

eu venci!
*

20170710_011016

https://go.hotmart.com/M6163460B

bem-querer, comportamento, Contos, Contos e crônicas, Crônicas, dia-a-dia, gastrônomia, humor, momentos, Sandra Barbosa de Oliveira 2

Teu despertar é canja de galinha

http://www.obagastronomia.com.br/uma-canja-com-sandra-calasans/

Às vezes ficamos tristes.

Nem sempre a razão oferece opções e o coração se aperta todinho, e fica resmungando, cheio de cobranças sobre o que passou, sobre o que é e sobre o que virá.

Céus! Dá um vazio, aquela deprê sem gosto que aposta em nossa desgraça deixando uma vontade de ficar acuado num canto, sem se mexer, sem querer existir.

Hoje, acho que é um dia desses. Tô pior que canja. E não aquela que só eu mesma sei fazer, com galinha gostosa, fresquinha e cheirosa.

Sabe como é?

Você pega uns peitinhos lindinhos e dá uma boa temperada neles. Uma douradinha e um banho que pode ser com água fria mesmo. Aí deixe que cozinhe na água do banho até ficar tenro; não pode passar do ponto senão endurece.

Enquanto ele cozinha já vai dando um caldo com cheirinho bom, mas dois cubinhos de caldo de galinha vão fazer um rebuliço e o cheiro vai ficar ainda mais esperto.

E você vai pensando na vida, nos amores que deixou passar, naqueles que perdeu sabe-se lá por que. Mas não esqueça que deixou a panela no fogo porque senão a canja vai virar uma gororoba.

Pra não mergulhar demais nessa tristeza, você pode dar uma raladinha em cebola (que vai te fazer chorar mais que tua pior desilusão) e na cenoura já pra dentro da panela. E ir colocando pitadas de orégano, manjericão, salsinha … bem devagarinho, só pra dar um colorido, porque isso vai alegrar um pouquinho você.

Tire os peitinhos da panela e coloque lá dentro aquele arroz que sobrou do almoço, já cozido, pro caldo não ficar muito empapado com o cozimento do arroz.

Ponha uma música suave pra tocar, mas não “aquela”… porque vai fazer você lembrar daqueles momentos especiais e isso vai chatear muito você.

Como penitência, desfie o frango ainda quente; vai queimar um pouco as mãos mas você tá merecendo se punir … Não consegue esquecer essa paixão esquisita que arrumou na internet.

Depois de desfiado, jogue o peito na panela, corrija o sal e adicione toda a raiva que você está guardando de si mesmo por ter se lascado em não lascar um beijo logo de uma vez, naquele primeiro e único encontro.

Deixe ferver tudo. Não se esqueça do azeite extra virgem e do queijo ralado no final.

Depois de pronto … encha a cara de vinho tinto, embebede-se de canja de galinha e vá dormir.

Tenha certeza que terá sonhos lindos. E que, pela manhã, adquirirá coragem pra mandar um torpedo dizendo: “Teu despertar é mar” !!! …

Contos, Contos e crônicas, Crônicas, ficção, Literatura, música, momentos, poemas, reflexão, Sandra Barbosa de Oliveira 2

Alucinações

Leia… ouvindo !!! …

*


Existe sempre um alguém elaborando a narrativa.
Se assim não fosse, as histórias não germinariam.

Lindas…

elas brotam e desabrocham,
para abrigar o pólen
que se entrega ao vento para salvaguardar a origem,
até encontrar o sublime momento do êxtase sensorial
que dará o sopro de vida à criação fecunda.

Mas histórias de vivências divergentes
vão sendo talhadas nas rampas do absurdo.

Ficção, descrença, medo, estranheza.
Sob técnicas de persuasão sonora,
onde as vozes viscerais derramam suas palavras
no tear de um destino encrudescido,

e vão sendo transportadas por trilhas
que difundem o caminhar cambaleante,
no dropar por ondas inequívocas, quase imaculadas.

Histórias deslizam pelas convulsões do mundo
num sentido que não se traduz…

E o tempo alenta com a energia dos furacões
pra demonstrar poder no exato instante
do regurgitar da prosa em versos.

Pelos desejos mais intransponíveis
na tormenta avassaladora de suas mal digeridas perdas,

infringe assim, o narrador vigente
em dissidência vertente sobre a mesma estrada,
apenas para mascarar a história que se faz longilínea, viceral…

Ao brindar, transparente e lânguido,
dos lábios em busca de delicados vitrais
que transbordam cores e sabores
pelo cálice do vinho.

Sandra Barbosa de Oliveira

#forever, amigos para sempre, bem-querer, comportamento, Contos, Contos e crônicas, crônica, gastrônomia, momentos, Sandra Barbosa de Oliveira 2, tudo de bom

Os melhores sabores da vida

http://www.obagastronomia.com.br/os-melhores-sabores-da-vida/

Existem combinações que são sempre especiais. Sabores que se misturam, se harmonizam para acariciar paladares os mais exigentes.

E existem histórias felizes que acariciam a alma devolvendo-a aos melhores momentos da vida, como numa simples comunhão desses sabores ao paladar, uma das mais vibrantes e antigas histórias de amor.

Quanto mais excêntrica a mistureba, mais feliz a satisfação do freguês.

Um dos casamentos esquisitos que eu adoro é o da alcachofra com o vinho tinto.

Uma surpresa rápida de preparar, que combina com inúmeras outras surpresas como comer ao lado de um parceiro interessante ou simplesmente na varanda, ao telefone com uma pessoa pra lá de especial.

Alcachofras e vinho tinto combinam com conversas envolventes, com desejos depravados e novas descobertas.

E é tão fácil de preparar quanto um beijo roubado.

Escolha as flores de alcachofra e coloque-as num vaso com água sobre a mesa da sala. Elas são lindas para adornar qualquer sensação de intimidade. Derrube a luz a meio palmo e deixe uma música suave cantando um jazz ao fundo.

Abra o vinho e coloque-o nas taças.

Separe duas alcachofras e coloque-as na panela de pressão, deixando por até quinze minutos após o barulho da panela invadir o assunto. Mas não o deixe quebrar o romance.

Prepare um molho com shoyu, vinagre balsâmico e azeite extravirgem entre uma e outra canção, poupando as dançantes. E ria muito !!! Gargalhadas, vinho tinto e alcachofras combinam demais.

Se estiver sozinha, vá para a varanda e espere aquele amigo surreal que você conheceu na internet te ligar e morra de rir com as palhaçadas que ele vai propor a você.

Beba até ficar engraçada. Seu amigo vai achá-la interessante.

Vá mergulhando as pétalas da alcachofra uma a uma no molho ou jogue o molho por cima e
sinta o quanto você é feliz.

No meu caso, a voz do amigo estava uma delícia …