Arte, beleza, Contos, Contos e crônicas, crônica, Crônicas, Cultura, Educação, Literatura, Sandra Barbosa de Oliveira

Fotografia de Coimbra

(José Luís Peixoto)

“Coimbra é a cidade e a esperança dos domingos à tarde. Um calendário abandonado no bolso do casaco é Coimbra. Coimbra são fotografias reveladas de um rolo antigo, esquecido numa gaveta. E, no entanto, enquanto falamos, Coimbra existe e corre no recreio. Existe ar que é respirado apenas por Coimbra. Existe um coração no seu peito a bater, e esse é um milagre de deus que transcende deus.”

(Fotografia de Coimbra – Gaveta de Papéis)

IMG_20170710_195613_611

https://go.hotmart.com/B6166112W

Anúncios
Sandra Barbosa de Oliveira 2

Divagar em palavras

Encontrar a palavra certa nunca é uma tarefa fácil
Escrever é remeter-se a alusões
e fantasias … puras da ficção
Pareço-me tomada por verdades e mentiras
Ao ter a impressão de sucumbir aos céus
e me deixar cair ao sétimo inferno
a cada palavra reticente

Dar formato à escrita é uma espécie de viagem
por mundos desconhecidos
de arquitetura metafórica
que faz confundir o que está claro
com o que é indescritível

Através da palavra
sentimento mais profundo da expressão
é que encaminhamos nossos pensamentos
à contemplação …

A saber que contemplar é deixar-se invadir
por um observar lancinante
onde se obtém subitamente
o admirar lato sensu

A palavra é a explicação para todas as coisas
o aconchego nas horas amargas
a salvação das almas perdidas
sob a forma de oração

E a catarse de uma declaração de amor
onde a beleza sistina complementa toda a devoção
para que haja apenas
um compartilhar de emoções.

música, momentos, Sandra Barbosa de Oliveira 2

Minhoca Voadora

Fiquei apenas sabendo, que na última sexta-feira, houve um show especial de Natal, numa praça em Fortaleza. Que de tudo que é belo, não faltou nada…com direito a decoração natalina e coral de crianças nas varandas dos prédios, e um especialíssimo show, meu amigo querido Jorge Vercillo, subiu e, com voz e violão, en-cantou meu hino preferido … “Em tudo que é belo”!

Fiquei agradecida só por saber que milhares de pessoas naquela praça puderam ouví-la, assim, ao vivo…

Na próxima encarnação, eu virei como minhoca voadora, para poder estar presente nessa hora e poder sentir, ao vivo, essa emoção!

Obrigada pelo presente, amigo! Eu sabia que esse dia chegaria.

Sandra Barbosa de Oliveira 2

As mulheres da banda

Nem sei mesmo como dizer, por um instante fiquei sem saber o que fazer com as palavras. Sinto a voz do expressar embargada na garganta, mas ainda assim me arrisco a cometer um erro, e com total atrevimento sugiro um “oceanar” como momento único, de um transbordar absoluto.

Quem entende de amar, entende o que eu digo.

Nesta história, minha vida se mistura a “Oceano”, e minha emoção transborda junto de minhas lembranças. Foi mesmo um momento único, restrito.  Eu preparava uma vida e a vida me preparou uma história.

Carol Welsman e o Dja

Foi quando tocou o interfone. E pelo chamado aos poucos fui entendendo meu lugar de mulher, de companheira. A música sempre falava mais alto lá em casa e neste instante compreendi o meu papel. Minha família estava crescendo junto com minha barriga e a música me desafiava a encarar uma nova vida. Pelas mãos do pianista ela levava meu companheiro para o mundo, me deixando responsável por todo um aconchego à espera de sua volta. E foi assim que se fez…E é assim a vida das “mulheres da banda”.

À beira do palco, nossa vida vai passando como se fosse um filme. Ele, o palco, sempre o protagonista. Nos bastidores somos espectadoras do assédio e da falta de rotina, vemos nossos filhos crescer, no vai e vem de um pai sem datas. Mas a música nos alimenta, nosso amor nos complementa e nos traz a serenidade necessária para cada reemcontro, e a força  necessária para a próxima partida. E isso faz da nossa vida mais que desejada . A “glamourosa” vida do palco, onde na realidade a fantasia não se mistura, porque as luzes se apagam e  voltamos para casa.

Com os laços se estreitando  desde o estúdio de gravação, estendo aqui uma calorosa menção às “mulheres da banda”, começando pela Claudia Maia com quem eu sempre falava em escrever essas histórias, mas com muita saudade, da Simone Martins, da Mônica Mariano, da Irene Gil, da Cida Campello, da Ticiana Oliveira, da Evelyne, das duas Andreias, a Vasconcellos e a Mariano, Zânia Castilho, da Ana Stela Bala Gomes. Todas passamos pelos mesmos caminhos. Umas ficaram, outras partiram….mas nossas vidas se cruzaram em Oceano.

Deixo aqui um super beijo aos meus amigos músicos que um dia formaram uma super banda – considerada uma entre as melhores já vistas na história da música brasileira.

Carlos Bala Gomes, Marcelo Martins, Torquato Mariano, Glauton Capello, Arthur Maia, Armando Marçal, Walmir Gil, François Lima, Sidinho Moreira, Pirulito, Marcelo Mariano, João Castilho e André Vasconcellos e o meu maestro Paulo Calasans.

Obrigada amigo Dja, essa emoção não teria sido possível sem a tua música !!! Todo amor do mundo …

Sandra Calasans

Sandra Barbosa de Oliveira 2

A elegância de uma década

Do momento em que conceitos tradicionais entram em desuso e a arte toma o curso dos valores descartáveis,  me senti livre para mostrar aqui uma escolha que fiz ainda criança, de guardar imagens, cenas, pessoas, músicas e palavras dentro de uma caixinha que criei num cantinho de mim, dentro de uma caixa maior, onde guardo tantos outros conceitos e valores.

Contidas, desde a década em que passei a minha mais tenra infância, trago clássicas lembranças, onde a estética, a beleza, a sensibilidade  plástica do que era concebido pela arte atingiam o inconsciente e talhavam a formação intelectual de nossas mentes desavisadas.

De ainda muito pequena,  guardo cenas como as da morte de John Kennedy,  da nova Capital,  dos soldados e tanques pelas ruas do Rio de Janeiro, do homem na Lua.

A de Sérgio Ricardo quebrando o violão ao ser vaiado no festival da canção, a ira de Caetano no “É proibido proibir”… Todas as cenas dos festivais  estão guardadas, claras e intactas, dentro da minha caixinha.

Cinema, Dorothy,  a janela batendo em sua cabeça e a fantasia surgindo como  mágica em tecnicolor… Branca de Neve, …Tony Curtis e a Corrida do Século. Tudo na caixinha.

Guardo também Agostinho dos Santos, Elizete Cardoso, Nat King Cole.

Show do dia 7.

O lançamento do Ford  Galaxie  nos palcos da TV Record.  No mesmo palco, Hebe Camargo, Cidinha Campos, Clodovil Hernandez e Denner.

A Jovem Guarda,  que tive o privilégio de assistir no teatro da Rua da Consolação, a grande festa no teatro Universal.  Roberto, Erasmo e Wanderléia.

Disparada e A Banda  empatadas. Vandré  “pra não dizer que não falei das flores”.

Dois na Bossa.  Elis e Jair.

Alaíde Costa,  Wilson Simonal.

Nas ruas o Simca Chambord e no armário os sapatos da minha mãe, suas roupas, as luvas, as perucas. Os anos 60 foram um marco de elegância e glamour. Eu adorava brincar com os sapatos da minha mãe.

Me lembro bem das tardes na Galeria Metrópole, das Lojas de departamentos, da escada rolante. E das férias pelas ruas de Copacabana.

Mas eu era bem pequena e fui acolhida pela emoção daquele tempo.

Da elegância, escolhi estas imagens pra selar.



Un homme et une femme – Claudine Longet (1966)

Sandra Barbosa de Oliveira 2

A dialética de Caetano

Parte 1

Dentro da arte de dialogar, o discutir em defesa das próprias idéias garante sucessivos conflitos de opiniões que podem gerir novos conceitos a respeito do objeto em questão. E é nesse processo discursivo que se enquadra a definição de dialética.

Então, a despeito da definição de dialética, contrapõem-se diversas teorias, desde os tempos de Sócrates até os imediatos do século 21, em que filósofos e estudiosos das ciências sociais e políticas, pensam e repensam a sua sucetividade em torno do seu próprio conceito. Em suma, a dialética aplica a si mesma todo o movimento que designa ao campo das idéias.

Pensando assim, e associando a dialética ao discurso lógico, à hermenêutica e à lógica enquando argumentação, desde que seja a  discussão ininterrupta, é que se pode gerar uma conclusão a respeito do conflito.

Enfim,  posso dizer da minha epopéia em tentar argüir uma obra com seu autor, um privilégio que tive de contra-argumentar uma idéia com o nada pouco polêmico Caetano Emanuel Viana Teles Veloso.

Num cenário de pré-carnaval, a convite de Gil e Geléia Geral, num estúdio de ensaio em Salvador (fevereiro de 1997), por onde transitaram, Ivete, Daniela, Gal, Baby, Pepeu, Lulu, Milton, Djavan, Elba, Margareth, Dominguinhos, Mautner entre outros muitos músicos e artistas que  buscavam seus melhores tons para dar voz à grande festa tropicalista que se faria alguns dias depois, fui abordada pelas duas “backing vocals” da banda formada por Gil a respeito da  letra de uma das músicas que Caetano acabara de gravar:

“Não enche!”.  Uma letra agressiva  não só aos ouvidos como a qualquer ser, animado ou inanimado, em que o gênero admita a terminação “a”.

Fui a porta voz e questionei com um pedido de explicação.

Com sua letra um tanto quanto extravagante, a canção “Não Enche” diz tudo. Um autor de saco cheio, cansado de ser perseguido, criticado cruelmente durante anos, autuado junto ao seu legado a todo tipo de patifaria, oral e escrita, afirma com todas as letras a algumas testemunhas que dedicou toda a sua ira ali expressa ao seu maior desafeto: a Imprensa.

E com um ar nada menos patife, brinca com a irritação das mulheres alegando que ao chegar com a música em casa, diante da reação de sua mulher aos apelos machistas do poema, estendeu-a dizendo que o capuz poderia servir a quem quisesse, apesar de serem tão boas as suas intenções.

Parte 2

Porém, naquele dia, em respeito às imposições da hora, tive que me calar e  perdi a oportunidade de complementar meu raciocínio. Mesmo segura das minhas convicções precisei deixar de expor meus argumentos.  Eu estava fora de lugar.

Fiquei sem a conclusão do meu conflito, abandonei a hermenêutica, o discurso lógico, a lógica, as teorias, os conceitos e a dialética de Caetano.

Mas o que eu queria saber naquele momento, e faço a pergunta aqui e agora,  era que se, num  país como o nosso, diante da violência instigada, de tanta  violência contra a mulher, mediante toda a ignorância e falta de instrução, a população que ouve rádio e vê telenovela sabe dicernir se os insultos contidos na letra desta canção são mesmo para selar a  excêntrica, estúpida e polêmica relação de Caetano com a Imprensa.

???

Em tempo: Caetano Veloso, a meu ver,  além de ser uma das grandes expressões da música, no Brasil e no mundo, está entre os maiores formadores de opinião deste país.