Divagar em palavras

Encontrar a palavra certa nunca é uma tarefa fácil
Escrever é remeter-se a alusões
e fantasias … puras da ficção
Pareço-me tomada por verdades e mentiras
Ao ter a impressão de sucumbir aos céus
e me deixar cair ao sétimo inferno
a cada palavra reticente

Dar formato à escrita é uma espécie de viagem
por mundos desconhecidos
de arquitetura metafórica
que faz confundir o que está claro
com o que é indescritível

Através da palavra
sentimento mais profundo da expressão
é que encaminhamos nossos pensamentos
à contemplação …

A saber que contemplar é deixar-se invadir
por um observar lancinante
onde se obtém subitamente
o admirar lato sensu

A palavra é a explicação para todas as coisas
o aconchego nas horas amargas
a salvação das almas perdidas
sob a forma de oração

E a catarse de uma declaração de amor
onde a beleza sistina complementa toda a devoção
para que haja apenas
um compartilhar de emoções.

Anúncios

Alucinações

Leia… ouvindo !!! …

*


Existe sempre um alguém elaborando a narrativa.
Se assim não fosse, as histórias não germinariam.

Lindas…

elas brotam e desabrocham,
para abrigar o pólen
que se entrega ao vento para salvaguardar a origem,
até encontrar o sublime momento do êxtase sensorial
que dará o sopro de vida à criação fecunda.

Mas histórias de vivências divergentes
vão sendo talhadas nas rampas do absurdo.

Ficção, descrença, medo, estranheza.
Sob técnicas de persuasão sonora,
onde as vozes viscerais derramam suas palavras
no tear de um destino encrudescido,

e vão sendo transportadas por trilhas
que difundem o caminhar cambaleante,
no dropar por ondas inequívocas, quase imaculadas.

Histórias deslizam pelas convulsões do mundo
num sentido que não se traduz…

E o tempo alenta com a energia dos furacões
pra demonstrar poder no exato instante
do regurgitar da prosa em versos.

Pelos desejos mais intransponíveis
na tormenta avassaladora de suas mal digeridas perdas,

infringe assim, o narrador vigente
em dissidência vertente sobre a mesma estrada,
apenas para mascarar a história que se faz longilínea, viceral…

Ao brindar, transparente e lânguido,
dos lábios em busca de delicados vitrais
que transbordam cores e sabores
pelo cálice do vinho.

Sandra Barbosa de Oliveira